História da internet: 50 anos de uma invenção incrível!

Não importa se você já nasceu em um mundo com computadores ou se apenas os conheceu adulto. A verdade é que não se imagina hoje um mundo sem a internet, a rede mundial de computadores. E a história da Internet está completando 50 anos, embora não tenha estado todo esse tempo ao alcance das pessoas.

Em síntese, hoje nós confiamos na Internet para administrar nosso dinheiro, buscar empregos, manter contato com pessoas que amamos. Usamos para pesquisar sobre qualquer assunto, aprender ou executar tarefas. Aliás, tarefas que não saberíamos como fazer sem as instruções que certamente só conseguimos na rede.

E mais: empresas usam a Internet para fazer, de várias sedes ao redor do mundo, uma coisa só. Dinheiro troca de mãos e de destino em segundos. A comunicação é instantânea. E mesmo os governos não vivem mais sem ela.

Okay, a internet já tem 50 anos. Mas seus usos práticos têm menos de 30, pois ela só se popularizou a partir da década de 1990. Entretanto, se ela desaparecesse, nossa civilização entraria em profunda crise. Como algo assim se tornou indispensável em tão pouco tempo? A breve história da Internet (mas muito rica!) começa com a ideia simples de um norte-americano chamado Joseph Carl Robert Licklider (ou J. C. R., como ficou conhecido).

História da internet inicia com a Arpanet

Licklider, um psicólogo e especialista em computação, criou assim o primeiro conceito de “interligar computadores por linhas de comunicação, para compartilhar dados e armazenamento”. Ele chefiava a pesquisa de computadores do DARPA, até hoje o braço de investigação científica dos militares norte-americanos. E sua ideia simples decolou.

O projeto se chamou Arpanet e, em 29 de outubro de 1969, foi criado o primeiro link entre dois computadores a distância. Um estava na Universidade da Califórnia, outro na Universidade de Stanford. Apenas duas letras foram enviadas de um para o outro quando o sistema caiu. Entretanto, a história da Internet havia iniciada.

Contudo, alguns anos depois, o sistema se estabilizou, incluía ainda mais universidades e interligava 200 computadores. Eventualmente surgiram outras redes, com sistemas diferentes, e foi necessário um protocolo único para que tudo se interligasse.

A internet como é atualmente

O protocolo surgiu em 1977 e foi a semente para o surgimento da rede mundial, a internet que nós conhecemos. A história da internet segue então com Tim Berners-Lee, hoje conhecido como “pai da web”, que criou o primeiro programa de hipertexto, indispensável para o compartilhamento da informação. Finalmente, em 1990, Berners-Lee desenvolveu o esqueleto de funcionamento mundial da rede, com servidor, navegador e mouse.

Foi então que tudo começou a acontecer rapidamente na história da internet. Em 1993, surgiu o primeiro navegador (o Mosaic) e o primeiro programa prático de busca na rede. Então Berners-Lee fundou o W3C, consórcio para desenvolvimento e acessibilidade da rede mundial de computadores.

Dessa forma, definiu o padrão definitivo: a internet deve ser disponível para todos, de forma gratuita e sem patentes. Com os motores de busca, quantidades enormes de informação podiam ser então acessadas por todos.

As empresas desenvolviam seus sites, que eram visitados pelos eventuais leitores. Não havia então qualquer tipo de interação entre uma parte e outra. Foi a partir de 1999 que aconteceu um novo grande salto na história da internet: a fase social e interativa, chamada de Web 2.0. Os sites ficaram interativos, os usuários geravam então conteúdo, havia colaboração online, multimídia e – principalmente – surgiram as mídias sociais.

Chegam os dispositivos móveis

As experiências puderam, desse modo, ser personalizadas e únicas. E, mais ou menos ao mesmo tempo, mudou ainda a forma de usar a internet. As pessoas começaram a acessá-la também por meio de dispositivos móveis, os notebooks, os celulares e os tablets.

Você talvez lembre dessa etapa da história da internet. Os primeiros telefones com acesso à Internet tinham telas pequenas, processadores fracos, conexões bem modestas. Era uma experiência que poderia ser frustrante.

Mas a história avançou e prossegue avançando. A tecnologia dos smartphones evoluiu rapidamente, as redes melhoraram até chegar ao 4G atual. Também os sites para celular proporcionam aos usuários a mesma experiência daqueles para computador.

Celulares e tablets passaram, em suma, a ser as ferramentas principais para acesso à Internet. Então, o lançamento no mercado de milhões de apps (programas especiais para dispositivos móveis) completou a maravilha que é o pacote de Internet dos tempos atuais.

As poderosas redes sociais

Desde seu início, afinal, a ideia que movia a Internet era conectar pessoas e comunidades. Sua vocação para a mídia social era evidente e se tornou uma corrente irresistível a partir de 1996, quando foi lançado o ICQ, primeiro programa de mensagens instantâneas e gratuitas.

No mesmo ano, surgiram ainda os primeiros blogs. Depois vieram redes sociais similares às atuais, como o Friendster e o MySpace. Após, tivemos então o Orkut e, finalmente, as poderosas redes sociais de agora: Facebook, Instagram, Twitter, WhatsApp e Pinterest. E isso sem falar na maravilha que é o YouTube. Ou nas redes sociais de serviços, como Uber ou Airbnb.

Assim, com todas essas facetas, o incrível desenvolvimento da história da internet em seus primeiros 50 anos fez dela algo que pode atender aos interesses de toda e qualquer pessoa.

No Brasil, ela chegou em 1988, teve uma expansão muito rápida e, hoje, é usada por mais de 65% da população. O Brasil é um dos países onde as pessoas mais ficam conectadas.

Novas maneiras de se comunicar

Pois tudo isso mudou completamente a maneira como os humanos se comunicam. A cada segundo, 3 milhões de e-mails são enviados. Na média, pessoas que trabalham em escritórios passam 30% de seu tempo redigindo e lendo e-mails. E ainda, fora do trabalho, as pessoas passam muito tempo nas redes sociais – a cada dia, 7 bilhões de informações são compartilhadas nas redes. Ou então fazendo pesquisas – de receitas a letras de música. Ou ainda comprando coisas: o e-commerce é assim outra revolução.

Aliás, até a maneira de ver filmes ou séries mudou. Os serviços de streaming estão dominando o mercado que era das emissoras de tevê a cabo.

A breve história da internet, e acelerada, teve então quatro fases em 50 anos. A primeira foi a do acesso ao conhecimento e à informação. A segunda foi a das transações, financeiras ou comerciais. A terceira foi e ainda é a das mídias sociais. E a quarta agora começa a ganhar força mundial: a Internet das Coisas, revela o MSN.

A maravilha da Internet das Coisas

Essa tecnologia já está mudando e vai mudar muito mais nosso relacionamento com os objetos. Assim, podemos controlar eletrodomésticos e outros aparelhos com a voz ou pelo celular, que estão na nossa casa ou mesmo bem distante, no outro lado do mundo. O Echo, da Amazon, e os alto-falantes Google Home e HomePod, da Apple, ficam mais inteligentes e capazes a cada dia.

Entretanto, a Internet das Coisas está ainda em sua primeira infância. Ela ainda vai evoluir cada vez mais e permitir que nos conectemos a uma infinidade de coisas, em todos os lugares. Aliás, se ninguém poderia imaginar há meio século o que seria isso até hoje, é da mesma forma impossível imaginar agora como ela será daqui a mais 50 anos.

28/02/2019