Cruzeiro reclama de ‘desequilíbrio esportivo’ em convocação da seleção e vê Palmeiras beneficiado

Horas depois do técnico Tite chamar o zagueiro Dedé para os amistosos da seleção brasileira contra El Salvador e Estados Unidos, em setembro, o Cruzeiro usou seu site oficial para reclamar com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

Em nota oficial intitulada “Após convocação de Tite, Cruzeiro vê desequilíbrio esportivo na Copa do Brasil”, a “Raposa” diz que o fato de nenhum jogador do Palmeiras, adversário na semifinal da Copa do Brasil, ter sido chamado, é “injusto”, já que agora apenas o clube mineiro terá um desfalque para o duelo decisivo contra o adversário paulista.

“Não entendemos o critério usado pelo treinador da seleção brasileira. Desfalcar apenas o Cruzeiro e deixar o Palmeiras completo para nos enfrentar foi algo injusto”, disse o vice-presidente de futebol do Cruzeiro, Itair Machado, na nota.

Fagner, Everton, Paquetá, Pedro e Dedé serão desfalques por conta da convocação © Fornecido por ESPN Fagner, Everton, Paquetá, Pedro e Dedé serão desfalques por conta da convocação
O time de Belo Horizonte também adota tom de estranhamento pelo fato do atacante Dudu não ter sido lembrado por Tite.

“O adversário celeste foi a única das quatro equipes que ainda disputam o título a não ter sequer um atleta convocado, mesmo que o meia Dudu, por exemplo, tenha sido pré-selecionado pelo técnico Tite para a última Copa do Mundo, na Rússia”, escreveram os celestes.

“Tem muito dinheiro em jogo nesta fase da Copa do Brasil e só o Cruzeiro foi prejudicado neste duelo. Isso nos deixa com muitas dúvidas sobre os motivos deste tipo de decisão”, acrescentou Itair Machado.

Em sua coletiva após a convocação, Tite foi questionado sobre o tema e confirmou que Cruzeiro, Flamengo e Corinthians serão prejudicados pela convocação, mas ressaltou que tentou ser “o mais justo possível”, informa o Terra.

CONFIRA A NOTA DO CRUZEIRO

Se por um lado a notícia da volta de Dedé à Seleção Brasileira foi motivo de felicidade para todos que convivem com o profissional no dia a dia do Clube, por outro, a convocação do zagueiro trouxe para a diretoria do Cruzeiro Esporte Clube uma grande preocupação esportiva.

As datas dos amistosos da equipe comandada por Tite, dias 7 e 11 de setembro nos Estados Unidos, prejudicarão diretamente três dos quatro times envolvidos nas semifinais da Copa do Brasil, já que as partidas estão pré-marcadas para 12 de setembro. Entre estes, o mais prejudicado é o Cruzeiro. “Não entendemos o critério usado pelo treinador da Seleção Brasileira. Desfalcar apenas o Cruzeiro e deixar o Palmeiras completo para nos enfrentar foi algo injusto”, afirma o Vice-Presidente de Futebol do Cruzeiro, Itair Machado.

Na ótica da diretoria estrelada, a ausência de um dos principais jogadores da equipe pode trazer grandes prejuízos técnicos ao time, que luta pelo hexacampeonato da competição, e desequilibra a disputa com o Palmeiras.

O adversário celeste foi a única das quatro equipes que ainda disputam o título a não ter sequer um atleta convocado, mesmo que o meia Dudu, por exemplo, tenha sido pré-selecionado pelo técnico Tite para a última Copa do Mundo, na Rússia. “Tem muito dinheiro em jogo nesta fase da Copa do Brasil e só o Cruzeiro foi prejudicado neste duelo. Isso nos deixa com muitas dúvidas sobre os motivos deste tipo de decisão”, alerta o Vice-Presidente.

Buscando pela imparcialidade, credibilidade e igualdade na disputa, baseando-se inclusive no Art. 1º do RGC – Regulamento Geral das Competições, Itair Machado está em contato com a Confederação Brasileira de Futebol e com a detentora dos direitos de transmissão da Copa do Brasil solicitando que a partida de ida entre Cruzeiro e Palmeiras seja realizada na quinta-feira, 13 de setembro, com o objetivo de atenuar, ainda que de forma parcialmente satisfatória, a diferença de tratamento dada aos dois clubes na convocação divulgada nesta sexta-feira. “Estamos trabalhando forte para tentar minimizar os problemas”, diz Itair.

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art. 1º – Este Regulamento Geral das Competições (RGC) foi elaborado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) no exercício da autonomia constitucional desportiva para concretizar os princípios da integridade, continuidade e estabilidade das competições, do fair play (jogo limpo) desportivo, da imparcialidade, da verdade e da segurança desportiva, buscando assegurar a imprevisibilidade dos resultados, a igualdade de oportunidades, o equilíbrio das disputas e a credibilidade de todos os atores e parceiros envolvidos.

18/08/2018