Arthur Zanetti conquista medalha de prata no Mundial

Arthur Zanetti está de volta ao pódio no Campeonato Mundial. Nesta sexta-feira, em Doha, no Catar, o campeão olímpico de Londres-2012 conquistou a medalha de prata nas argolas, com a nota 15,100, superado apenas pelo grego Eleftherios Petrounias, que conseguiu 15,366. O atleta europeu chegou ao tricampeonato e na segunda-feira será submetido a uma cirurgia no ombro. A medalha de bronze ficou com o italiano Marco Lodadio.

“Estou muito feliz com o resultado. Não foi minha melhor nota, mas foi minha melhor apresentação. Meus giros foram todos estendidos, cravei na saída. Estou muito satisfeito”, disse Zanetti, em entrevista ao canal SporTV. “Este foi o primeiro passo para Tóquio-2020. Temos muitos treinos difíceis pela frente para encarar.”

Foi a segunda vez consecutiva que Zanetti foi superado pelo grego. Mas o brasileiro fez questão de destacar a boa relação com o rival. “Petrounias é um grande atleta, uma grande pessoa, torço muito por ele e espero que ele se recupere bem da cirurgia.” O grego também de sua admiração por Zanetti. “Zanetti era um ídolo para mim e continua a ser. Fico muito feliz quando estou na mesma competição com ele. Eu me sinto melhor. Ele é uma inspiração para mim”, afirmou o europeu, ao fim da disputa.

Zanetti, de 28 anos, também competiu com uma lesão no bíceps direito e se recuperou após o sétimo lugar obtido no Mundial do ano passado. Ele soma quatro medalhas em mundiais: ouro na Antuérpia-2013 e prata em Tóquio-2011, Nanning-2013 e Doha-2018, além, do ouro olímpico em Londres-2012 e da prata na Rio-2016. Sempre nas argolas, atesta o Terra.

Depois de ter caído no salto que leva seu nome na final do individual geral, a norte-americana Simone Biles levou o título no salto sem ser ameaçada, com média 15,366. Atual campeã olímpica do salto, ela conquistou seu primeiro ouro no aparelho em Mundiais. A canadense Shallon Olsen ficou com a prata (14,516) e a mexicana Alexa Moreno completou o pódio (14,508).

Nas barras assimétricas, Biles ficou com a prata, ao receber a nota 14,700, a sua primeira medalha no aparelho em grandes competições. O ouro ficou com a belga Nina Derwael, que recebeu 15,200. Foi a primeira medalha de ouro da Bélgica na história do Mundial. O bronze foi para a alemã Elisabeth Seitz, com 14,600.

“Parabenizo a Nina pelo resultado e estou muito satisfeita com meu resultado, pois tenho dificuldades nas barras assimétricas”, disse Simone Biles, dona de 13 medalhas em mundiais. Neste sábado, a norte-americana vai tentar mais dois pódios, ao participar das competições do salto e da trave.

A grande surpresa do dia no Mundial do Catar foi o bronze de Carlos Edriel Yulo, de 18 anos, primeira medalha da história das Filipinas, com 14,600. O russo Artur Dalaloyan, campeão individual geral, deu mais um show no solo, conseguiu 14,900 pontos e superou o favorito japonês Kenzo Shirai, que defendia o título mundial, e terminou com a prata com 14,866.

03/11/2018